Dicas para escolher um bom plano de saúde

Dicas para escolher um bom plano de saúde

plano de saúde de qualidade

Quando se trata de escolher um bom plano de saúde, há muitas coisas a verificar. De fato, essa escolha pode ser extremamente difícil, também porque é um produto que está se tornando cada vez mais popular. Então, o que você deve considerar ao escolher um plano de saúde?

Ter um bom plano de saúde é essencial. Afinal, nunca se sabe quando precisaremos recorrer à assistência médica.

Assim sendo, como ter acesso a um plano de saúde que ofereça todas as condições de atendimentos necessárias? Qual é a melhor forma de contratar? Quais são as dificuldades?

Leia também: Aposentadoria especial: Descubra as Regras da Previdência Social

O que considerar ao escolher um plano de saúde?

A coisa mais difícil ao escolher um plano de saúde, de fato, são as próprias barreiras impostas pelas operadoras de planos. A maior parte dos bons planos de assistência médica dificultam a adesão individual, privilegiando apenas os plano de saúde empresarial, assinados através de entidades.

Se você não é filiado a uma entidade de classe que tenha convênio com qualquer plano de saúde, a melhor forma para que você tenha acesso a um plano coletivo será, sem dúvidas, através de um corretor de seguros.

Alguns fatores devem ser considerados na hora de escolher um bom plano de saúde. Sobretudo porque o que torna uma assistência médica realmente útil são as suas próprias necessidades, e as necessidades dos seus eventuais dependentes.

1 – Personalize sua escolha

Antes de tudo, por mais trivial que pareça, você deve se perguntar do que precisa, pois assim, existe a possibilidade de personalizar sua escolha.

Um plano de saúde pode ser eficaz para uma pessoa, mas não para outra. Então, as primeiras avaliações a serem feitas são:

  • Quais riscos são tomados diariamente, com base no tipo de trabalho que você realiza
  • Se o escritório fica na casa ou se você viajar muitos quilômetros por dia no carro
  • Se o ambiente em que você mora está mais sujeito a riscos ambientais, etc.

Dito isto, com o contrato de plano de saúde proposto em mãos, é necessário entender alguns itens importantes que dizem respeito à possível compensação.

2 – Compare os tipos de planos de saúde

Você encontrará uma diversidade de planos enquanto faz sua escolha. O tipo que você escolher ajudará a determinar seus custos diretos e quais médicos você pode consultar.

Ao comparar planos, procure um resumo dos benefícios. Procure saber a lista os médicos e clínicas que participam da rede do plano.

Ao comparar planos diferentes, coloque as necessidades médicas de sua família à frente da escolha. Veja a quantidade e o tipo de tratamento que você recebeu no passado. Embora seja impossível prever todas as despesas médicas, conhecer as tendências pode ajudá-lo a tomar uma decisão.

3 – Escolha um plano de saúde adequado à sua idade

As companhias de seguros sempre impõem limites de idade para cada valor de plano.

4 – Considere serviços adicionais

Em alguns casos, um plano pode oferecer mais do que apenas cobertura dos custos incorridos para o tratamento, mas também pode fornecer outros serviços. Um exemplo é a cobertura legal em caso de danos sofridos por tratamentos médicos incorretos ou negligentes. Pergunte a si mesmo quais você pode precisar e quais você não precisa.

5 – Procure saber o que o plano não irá cobrir

Você não deve esquecer que mesmo o melhor plano de saúde não cobrirá todas as suas despesas relacionadas à saúde. De fato, as políticas geralmente não cobrem:

  • Despesas com o tratamento de problemas médicos pré-existentes no momento da contratação.
  • Despesas devido ao abuso de álcool, drogas e psicotrópicos no momento da contratação
  • Despesas odontológicas, salvo indicação
  • Despesas com intervenções estéticas
  • Abortos voluntários

6 – Rede credenciada

A primeira coisa que você deve analisar é a rede credenciada dos planos de saúde disponíveis na sua área. Nesse sentido, é importante ver se os médicos que normalmente lhe atende (se houver algum de sua predileção) aceitam esse ou aquele convênio médico.

Do mesmo modo, é importante ver qual é o convênio com a cobertura mais ampla de hospitais, tanto para emergências, quanto para internações eletivas, na cidade onde você mora ou nas cidades para onde você costumeiramente se desloca, caso viaje com frequência.

O melhor plano de saúde, portanto, será o que, além de ser atendido por mais médicos de sua predileção, abarque o maior número de hospitais de referência para as suas necessidades.

7 – Carências e limitações

Todo plano de saúde tem um período mínimo para o acesso a determinados procedimentos. Às vezes, certas cirurgias eletivas ou tratamentos, como quimioterapia, só podem ser utilizados depois de 6 meses, a depender da assistência médica.

Por isso, avalie, conforme a necessidade e o seu histórico pré-existente de doenças (e dos seus dependentes, caso você pretenda incluir alguém no seu plano) qual é o que oferece as melhores condições em caso de urgência. Os planos não costumam a flexibilizar as carências.

8 – Preços e valores reajustados

Depois de considerar os dois outros fatores, como rede credenciada, cobertura de área e carências, é importante que você considere se o preço comparado é justo e adequado.

Do mesmo modo, é bom pesquisar quais são os valores médios de reajuste do plano ao longo do tempo.

Com muita atenção às dicas, faça uma pesquisa extensa, comparando todos os fatores. Contate, se possível, mais de um corretor. Deste modo, você poderá escolher um bom plano de saúde!

Deixe uma resposta